segunda-feira, 24 de maio de 2010

Ser você mesma!

Tenho 19 anos. Até  então nunca tinha pensado em uma mulher e nunca tinha tido nenhum tipo de relacionamento homossexual, nem mesmo por curiosidade, nem nada. Eu tinha um namorado de um ano e quatro meses na época, que já não estava me fazendo bem e eu já vinha pensando em terminar. Eu me apaixonei por homens durante a minha vida, mas hoje eu olho pra trás e não consigo comparar o que eu estou sentindo por Ela com absolutamente nada do que eu já se senti antes.

Conheci Ela no dia 14 de janeiro desse ano. Eu sei, faz MUITO pouco tempo. Meu namoro estava ruim e ela estava triste porque tinha terminado um relacionamento bem longo há poucos meses e tinha sido um final bem destrutivo, digamos assim. Eu a conheci num aniversário de criança, vou tentar não ser tão detalhista, porque eu lembro de cada detalhe e se eu fosse contar tudo minha história ficaria cansativa demais. Enfim, a conheci através de uma amiga que é homossexual.

A primeira vez que eu a vi com essa minha amiga eu fiquei curiosa. Ela simplesmente chamou minha atenção no meio de umas cem pessoas e eu queria saber quem ela era, o que ela tava fazendo ali, será que ela tava ficando com minha amiga? Enfim, me fiz várias perguntas, mas depois deixei isso meio de lado. Depois do aniversário a gente se reuniu para jogar uno e ela estava lá. Foi uma afinidade instantânea. A gente tirava brincadeiras uma com a outra direto, passamos a noite inteira nisso, ela falava que eu atrasava o jogo porque sou muito distraída, enfim, depois desse dia a gente se acabou se vendo muito, no período de um mês...

Acho que a gente se encontrava pelo menos umas 4 vezes por semana, eu comecei a me interessar demais e percebia que ela também. Isso nunca tinha acontecido comigo antes, eu tinha namorado e era basicamente isso que me prendia e não me deixava fazer o que eu queria (que já estava escrito na minha testa). Terminei meu namoro dia 5 de fevereiro, dia 6 eu decidi que ia sim ficar com ela e no dia 8 eu fui atrás dela...


Foi a coisa mais corajosa que eu já fiz até hoje, porque eu sabia que isso ia ter conseqüências, mas eu queria Ela, fato, ponto. Nunca quis tanto alguém. Eu me tremia inteira, ela percebeu e ficou preocupada, perguntou o que eu tinha e eu disse tu sabes, eu quero te beijar. Eu sentia meu próprio coração bater de tão acelerado. Foi um dos beijos mais intensos que eu já dei em alguém.

Sabe quando duas pessoas se gostam demais, mas não estão juntas e quando isso finalmente acontece... É como se já tivesse que ter acontecido há muito tempo. Quando eu vi ela pela primeira vez... Bem, eu soube depois de três segundos. Tudo o que aconteceu nos últimos 4 meses só vem confirmando cada vez mais que eu encontrei a “pessoa certa”. E sim, minha pessoa certa não é o que minha mãe sonhou pra mim, mas é TUDO o que eu sempre quis, na verdade, é até mais. Olhando de fora eu acho que 3 meses é muito pouco tempo, mas é que já aconteceu tanta coisa e é um sentimento tão intenso, forte, equilibrado e até mesmo seguro, que parece que faz séculos. Hoje eu me sinto completa.

Como tudo na vida, minha história não é só flores. No dia 20 de Março minha família descobriu. Minha mãe... Sem comentários. Eu fui humilhada, ouvi as piores coisas do mundo da pessoa que deveria me proteger, aceitei tudo o que ela disse, não bati de frente até agora, porque é minha mãe, porque eu tenho respeito apesar de TUDO e porque da mesma maneira que ela não pode impor o que ela pensa pra mim eu também não posso fazer isso.

É muito difícil lidar com essa situação: amar uma mulher (no sentido mais amplo que a palavra amor pode ter), ter a família inteira contra isso e te tratando como uma drogada, porque, afinal, você não era assim, são essas influências, é “aquelazinha”, “aquela pequena”, são esses teus falsos amigos que te levaram pra perdição... E entra psicologia, entra complexo de Elektra... Com toda a sinceridade e com todo o respeito também, não acho que Freud explica o que eu estou sentindo. Acredito em Deus, tenho muita fé Nele e em tudo, na vida, tenho sonhos, sou otimista, sempre acredito que as coisas vão dar certo de alguma forma, que se elas estão dando errado agora é uma fase e depois tudo se ajeita, talvez não da melhor maneira para todos, mas eu posso fazer que fique bom pra mim.

Agora? O melhor e o pior momento. É como se você tivesse que escolher entre duas coisas que simplesmente não se escolhe. É covardia te pedirem pra escolher entre a tua primeira família e a pessoa que tu queres para construir contigo a tua própria família, a pessoa que tu planejas ter filhos e que quando tu olhas para frente e pensa na tua vida vai tá contigo em todos os momentos.

É... Desleal pedir isso. Eu moro com meus pais, eu não tive e ainda não tenho muita escolha, ou eu minto falando que já passou, ou minha vida vira um inferno, porque mesmo mentindo para evitar mais problemas eu não tenho paz e sinto que não vou ter por um bom tempo. Tenho meus “dias de cão” com minha mãe entrando no meu quarto falando que vai se matar, ou quando ela resolve me empurrar para “rapazes bonitinhos”, dá uma vontade de gritar, de explodir, mas enfim, paciência, autocontrole, etc. Eu sei que dói nela tudo isso, que não é o que ela sonhou pra mim e tudo mais... Mas é que eu também não sou forte. Eu entendo tudo o que ela sente, mas ela não parou para entender o que eu sinto e simplesmente apontou o dedo na minha cara e me disse as piores coisas.

Eu chorei muito por isso, ainda choro, porque ter que mentir não é fácil, tem horas que parece quase ser insuportável (no sentido não conseguir suportar a mentira mesmo) e eu não gosto, só faço por não ter outra escolha. Eu não minto porque eu quero enganar é que eu não vejo outro jeito. E dói, mas é necessário.

Eu não estou com minha namorada hoje porque o que é proibido é mais gostoso, porque... o que é proibido  NÃO é mais gostoso. Não quando tu amas alguém e quer estar com essa pessoa o tempo todo, poder falar no telefone a hora que quiser ou simplesmente sair de casa e encontrá-la sem ter que ter um plano pra isso. Minha mãe disse que eu estava no fundo do poço por beijar uma mulher, o que ela não sabe é que essa mulher fez eu me sentir mais longe do poço do que nunca e que minha mãe quase me jogou pro fundo do poço com todo o tipo de chantagem emocional que ela fez. Até que eu cansei dela. E, de todo o meu coração, admito e desabafo que cansar da própria mãe é muito triste. Mas é que eu não tenho mais forças pra ela. Chegou num ponto que é “ou ela ou eu”. E eu me escolhi.

Eu rezo muito. Rezo para Deus me dar paciência, serenidade e tudo mais porque eu sei que ainda tem muita coisa pela frente. Porque a “bomba” pode estourar de novo e minha vida pode ficar bem complicada de novo e eu tenho que ser muito forte pra passar por isso. Rezo para que Ele dê essas mesmas coisas pro meu amor porque eu sei que Ela também precisa disso, e rezo para que Deus tire essa mágoa e essa culpa (que não tem nenhum fundamento) da minha mãe e que ela veja que o amor dela é maior que qualquer PREconceito que a nossa sociedade venha impor. E que ela entenda que isso não é uma questão de falta de princípios e valores, é uma questão de amor, mais que isso, é uma questão de respeito. E que PREconceito sim é uma questão de valores distorcidos.


Rezo para que ela consiga me olhar e ver que eu tenho mil qualidades, sou mil coisas antes de ser lésbica. Que ela me olhe sem aquele olhar de desgosto que tanto me machuca e que quem já passou por isso sabe muito bem como é difícil suportar a própria mãe te olhando assim. Se é pra falar de Deus... Ama o próximo como a ti mesmo, respeita as pessoas ao teu redor e simplesmente não julga. Hoje eu estou melhor do que eu estive ontem e amanhã espero estar melhor do que eu estou hoje.

Para quem se encontra em situação parecida: Deus. Vão falar Dele pra você, mas você  tem o Deus que você merece e as pessoas ao seu redor também. Nunca se esqueça disso. E fé na vida, porque por mais difícil, longo e escuro que o caminho pareça ser, quando você chegar lá no final, você vai se sentir a pessoa mais feliz do mundo. Você sabe o que você quer e você sabe o que é melhor para você. Não deixe que as outras pessoas confundam você, até porque você vai se sentir confusa pelo fato de ser um novo sentimento.

Seja você mesma. Não perca sua identidade. Ame. Se ame também. Seja feliz. Construa o seu caminho e nunca se esqueça que sexualidade não julga caráter de absolutamente ninguém. 

“Cada um fique na vocação em que foi chamado.” 
Coríntios 7:20

Anita* - Belém, PA.

5 comentários:

Aninha aruen disse...

gostei da sua história,me lembrou o filme imagine eu e vc....as vezes temos que ignorar nossos próprios pais por um momento e viver nossa vida, infelizmente...mas vc tem q se escolher,e ñ deixe de namorar mesmo q tenha q ser escondido,ñ deixe de viver um amor bonito assim...e torço pra que um dia sua mãe entenda,ela vai entender ,é sempre um drama no começo,mas depois os pais se acalmam e aceitam,e se ñ acontecer assim , paciência, e a culpa ñ é sua,eles é que vão sair perdendo em ñ te aceitar....e cada um merece o Deus em que acredita,se vc acredita em um Deus que ñ te julga ele ñ vai te julgar,eu ouvi em um programa espírita uma vez que Deus ñ é mesquinho em julgar alguem por causa da sexualidade. bjs e boa sorte!!

Alessandra disse...

É Anita... ser quem a gente é, sem máscaras não é mesmo fácil. Haverá sempre dedos te apontando, olhares acusadores, enfim... e isso dói mesmo quando vem de quem esperamos o contrário, que é nossa família. Esperamos que eles nos apoiem, mas nem sempre é assim. Bom saber que vc tem uma mente bem estruturada, que esta firme e que caminha em rumo a sua felicidade! Porque é isso que interessa. Força sempre! Desejo que haja sempre em seus caminhos, paz, amor e luz a te iluminar os passos!

Sara Mag's disse...

Ola, me chamo Shara Magalhaes, tenho 26 anos, moro no Rio de Janeiro sou estudante de direito, futuramente de psicologia e sou lesbica. Ao longo da minha jornada nunca conversei nada com minha mae, absolutamente nada. E sofria muito com isso, me sentia o tempo todo sufocada e triste. Quando era mais nova era altamente focada no meu grupo de amigos que pertenciam a uma Igreja Catolica. E fui crescendo perante o grupo, seja fazendo teatro seja cantando. Apos algum, tempo fiquei com o cargo de coordenadora da banda da igreja onde eu coodenava e cantava na missa dos jovens. Mas ainda tinha o meu lado homossexual que ninguem sabia.Carregava isso havia um tempo, queria pelo menos contar aos mais intimos sobre a minha orientacao. Com muito medo, contei. A minha supresa foi que ninguem se afastou,permanceram amigos. Como faria agora entao para continuar a coordenar uma banda na igreja catolica,que eh contra a minha orientacao sexual? Fui e contei ao padre, ele me olhou com supresa e pensei que nao poderia mais exercer minha funcao... o padre disse que estava supreso, mas nem por isso iria deixar de, me ajudar que Deus ama a todos, mesmo que estes sejam diferentes dos demais.
Mas o meu maior problema ainda estava por vir, MINHA MAE.
Foi por esse dias que tive uma conversa com ela, e falei que era homossexual, eu pensando em arrumar minhas malas, recebi um beijo e algumas palavras que nunca pensei em ouvir. " Minha filha eu lhe amo mesmo voce sendo gay, ou nao. Eu tenho orgulho pelo o que voce e" Eu que desde o comeco chorava agradeci por ter uma mae assim.
Parace dificil que a mae ou Deus aceite quem voce e mas acredite, eles ja sabem o que voce e, apenas tem medo que o mundo possa ferir ainda mais voce, sendo voce diferente do resto.

Tânia disse...

Anita, sua história de vida é como de inúmeras pessoas,infelizmente alguns pais não tem maturidade suficientes para compreender que seus filhos não são clones deles, esquecem-se que quando tomaram decisões a respeito de suas vidas maritais não perguntaram a nenhum filho, simplesmente resolveram assumir uma vida em família. Não entendo o motivo de tanto alarde por parte deles com relação as escolhas feitas pelos seus filhos.

A minha opinião sincera??? Nascemos para sermos felizes e procuramos alguém que nos complete e que construa conosco um ambiente agradável. Se você encontrou essa pessoa, seja muito feliz e aproveite cada minuto junto com ela. Que cada momento seja mágico e vocês possam se conhecer mais e mais a cada dia.

Cada pessoa tem seu próprio momento de evolução e crescimento, dê a oportunidade a sua mãe do aprendizado. Deixe que o tempo cicatrize "a dor" que ela sente.

Mas não permita que pessoa alguma te separe do seu AMOR para que não chore em arrependimento pelo não realizado.

Vocês trabalham??? Procurem um emprego, busquem a independência que a vida de vocês ficarão muito melhor. Conheçam-se, este é o momento de vocês curtirem o melhor do amor de vocês.

Espero que sejam MUITO FELIZES e que DEUS possa iluminar seus corações.

Boa Sorte.

Anônimo disse...

Alguns pontos no texto são também vividos por mim, eu sou lésbica faz uns 5 anos e até hoje nao contei nada para os meus pais (e que são evangélicos), e também me sufoca as vezes ter que mentir, e o que também me chamou a atenção é que apesar de muitas religiões nos abominarem é que a pessoa do texto acredita em Deus assim como eu, apesar das religiões terem suas "regras" e condutas para sermos pessoas candidatas ao céu, eu acredito que há sim um ser superior que me fez assim, me ama assim, e que apesar das dificuldades e momentos difíceis tá sempre ouvindo minhas orações.
Força pra vcs nessa dura batalha de ser diferente do que é considerado normal.